Por Sara Santos

Podia ser antes uma Home of Vans, porque a energia que lá se vive é própria de um verdadeiro lar, intimista e descontraído, que é também o espírito do skateboarding.

A House of Vans é um espaço onde se assiste a concertos e outras perfomances musicais, se vê instalações de arte e se aprendem manobras de skateboarding, lado a lado com a Vans desde o início da marca. Mas não só: também de música, de moda, do BMX e da street culture se faz o local, onde não falta criatividade, um dos conceitos-chave da House of Vans.

Há duas casas destas permanentes – em Waterloo, Londres, e Brooklyn, Nova Iorque – , mas por todo o mundo vão sendo realizadas pop-ups que seguem a mesma linha das casas que nunca saem do sítio. A mais recente aconteceu em Barcelona, onde o skateboarding tem forte expressão, e a PRIMA, convidada portuguesa exclusiva, esteve lá.

Ao longo de quatro dias conseguiu sentir-se o verdadeiro espírito do skateboarding e dos apaixonados por este desporto, que a Vans viu e ajudou a crescer. Skaters de todo o mundo juntaram-se no skate park criado dentro do espaço para que todos pudessem mostrar os seus Kickflips e Pop Shove-Its. Houve muitas quedas, mas também muitas manobras perfeitas, garantiram os experts.

Durante o dia, marcas e artistas locais ligados ao skateboarding realizaram workshops que estimularam a imaginação de cada um. O criador da Ayma Boards, Esteve Aymà, ajudou a personalizar um dos seus modelos de skate, que se pôde levar para casa, e Julian Lorenzo, ilustrador e skateboarder, apelou à expressividade individual para customizar sacos de pano.

No último dia, foi aberto um mercado comunitário, onde se fizeram tatuagens de graça e se venderam peças de marcas locais. À noite, bebeu-se cerveja ao som de Kaytranada e Hard GZ.

Tony Alva, um dos nomes mais reconhecidos do skateboarding e símbolo do conceito “Off The Wall”, foi o convidado mais abordado de todo o evento. No último dia, entrou em cena para provar que os 62 anos não lhe retiraram a técnica e muito menos a coragem e determinação que tinha nos anos 70.

Nessa década, um grupo de skaters da Califórnia conhecidos por Z-boys, do qual Alva fazia parte, ficou conhecido por aproveitar piscinas abandonadas e sem água para praticar os seus truques. A partir das extremidades das piscinas, faziam as manobras, lançando-se pelos ares – “out off the wall”.

Esta expressão utilizada pelos skaters tornou-se o slogan da Vans, que tinha modelos usados por todos nesse tempo. Ainda nessa década foram criadas as sapatilhas Era, desenvolvidas ao lado de Tony Alva e Stacy Peralta, outro membro dos Z-boys. O modelo foi desenvolvido com sola alta em borracha, indicado para os skaters, e várias cores contrastantes.

Ao longo do tempo, a Vans ganhou força mas manteve-se fiel às suas raízes e ao espírito Off The Wall, criando modelos únicos e confortáveis, adaptados ao estilo dos skaters. Ao mesmo tempo, conseguiu tornar-se uma marca de lifestyle, não apenas própria de uma subcultura, mas muito mais abrangente, potenciando a creatividade individual.

A House of Vans pretende expressar isso mesmo: a originalidade da marca, mas também de cada um, nas mais diversas formas de arte. No espaço permanente de Londres, aberto quatro dias por semana, existe uma programação que inclui aulas de skate e BMX, eventos culturais e de moda e música ao vivo aos fins-de-semana. Vale a pena uma visita, garante a PRIMA. Espreite as fotos!

House of Vans

Muitos concertos encheram a casa.

vans

Não faltaram os streetartists.

Vans

Uma casa cheia de animação.

Vans

Os clássicos ténis Vans não podiam faltar.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.