Por tradição, as plantas e as flores sempre foram objetos de espaço exterior. Fosse um jardim ou uma pequena varanda, era raro vê-las dentro de casa - à exceção das jarras de flores. Mas nos últimos anos o panorama mudou. O Instagram e o Pinterest encheram-se de salas cheias de verde (basta pesquisar 'indoor plants' numa dessas plataformas) e, por consequência, as casas forraram-se de vasos onde habitam desde enormes plantas de folhas largas a pequeníssimos cactos. Soraia Silva, formada em História de Arte, e há vários anos a trabalhar numa galeria de arte contemporânea, estava atenta à tendência na altura em que decidiu mudar de vida. Convenceu o irmão, Tiago Silva, e uma amiga, Joana Fernandes, a acompanhá-la e trocou o emprego fixo por uma aventura numa loja de plantas de interior, a Limbo, no coração da Madragoa, em Lisboa.

Limbo Shop
A wall of fame da loja créditos: Copyright 2018. All rights reserved.

“Sempre tive plantas em casa, mas em Portugal, apesar de haver uma enorme cultura de flores, era difícil encontrar espécies de interior. O que é estranho, porque são plantas que se dão muito bem no nosso país. Por exemplo a borracheira [ou planta da borracha] cresce na rua, mas não tem produção cá”, explica Soraia. Começou por estudar as várias espécies - um trabalho que nunca acaba -, depois tratou de arranjar fornecedores e a 10 de Maio deste ano abriu a loja.

A operação é pequena, por isso Soraia compra as plantas a revendedores e outros viveiros maiores que importam de outros países. “A exportação é feita em camiões e nós não temos dimensão para tantas plantas, por isso compro a outros importadores.” O que não a impede de pesquisar plantas específicas. “Andei meses à procura de uma begonia maculata, que é vermelha na parte de trás da folha e tem pintas brancas à frente. E finalmente consegui convencer um viveiro a encomendar”, conta.

Se ao princípio pensou apenas em plantas de interior, cedo percebeu que muitas podem dar também para o exterior. “As pessoas aparecem e pedem-me coisas específicas. Querem plantas que não dêem muito trabalho, por exemplo, ou que vivam bem com pouca luz, ou que se aguentem numa varanda.” Por isso, além de um vaso, sai-se sempre da Limbo com uma dica e o briefing adequado a cada compra. Seja ela uma begonia, uma bananeira, uma estrelícia, uma alocásia ou um cacto. É raro ter muitas plantas da mesma espécie, culpa de uma loja pequena, mas também de uma aposta na diversidade.

Limbo shop
Algumas espécies da Limbo Shop créditos: Copyright 2018. All rights reserved.

Além dos verdes, aqui vende-se também a terra, os vasos de barro necessários para cada pé, produzidos no Norte, e uma série de marcas portuguesas de cerâmica feita à mão que têm vindo bater à porta da loja. Há peças da Sedimento, da artista Marta Malheiro, ou de artesãos do atelier de cerâmica Olho, no bairro vizinho da Estrela. “Tento ter aqui algum movimento de bairro”. Por isso, além das plantas, a cada dois meses tem também intervenções na janela da loja, que mudam quando muda a exposição da Galeria Madragoa, duas portas ao lado. Um trabalho em constante evolução, tal como as espécies da loja.

Rua do Machadinho, 48, Lisboa / 213 901 549 / ter-sáb 11h-20h